sexta-feira, 21 de junho de 2013

A Metamorfose - Franz Kafka


Hoje eu vou falar um pouco sobre o que eu achei da obra "A Metamorfose" de Franz Kafka. Inicialmente eu tenho a dizer que este é um livro curto e fácil de ser lido em um único dia. A escrita de Franz Kafka não é rebuscada e consegue te envolver facilmente nessa narrativa angustiante, mas ao mesmo tempo prazerosa.
     A edição que eu possuo, cuja tradução foi feita por Lourival Holt Albuquerque, pertence à Coleção Abril Clássicos e foi publicada em Abril de 2010. Em relação à história eu afirmo: uma das melhores que eu já li.
     A narrativa gira em torno de Gregor Samsa, um caixeiro-viajante que após uma noite de sono conturbado, vê-se transformado em um inseto. Em nenhum momento ele e sua família se questionam qual a razão de tal fato ter ocorrido, assim, o que ambos fazem é continuar suas vidas da maneira possível, considerando a nova condição do provedor da casa.
     Sem perder sua consciência humana, porém, sem poder se comunicar, Gregor vira alvo de asco de seus familiares, que passam a ter novas responsabilidades a partir do momento em que o filho e irmão não consegue mais sustentar a casa. Assista ao vídeo abaixo para obter mais detalhes sobre a obra e o livro.






----------------------AVISO DE SPOILERS----------------------

Como eu realmente espero que vocês leiam o livro, eu coloquei esta parte separada do corpo da postagem. É o seguinte: eu havia lido apenas alguns trechos dessa história no material do Kumon de português, mas não tinha ideia sobre como Franz Kafka conduziria a narrativa até o fim, logo, eu perguntei a opinião de algumas pessoas sobre o livro e uma delas disse que o final da história era surpreendente. Isso me fez criar algumas expectativas que atenuadamente me frustraram. Vou explicar: de certa forma (mesmo tendo lido só o primeiro capítulo até então) eu "já sabia" que Gregor não voltaria à sua condição humana e acabaria morrendo, mas eu imaginei "mil" outras maneiras para que isso acontecesse sem nem pensar na maneira  como ele realmente  morre. 1º Eu pensei que ele perderia sua consciência humana. 2º Eu pensei que ele atacaria inconscientemente algum de seus familiares. 3º Eu pensei que seu pai ou irmã o mataria. Estas foram algumas das hipóteses que eu fiz e que eu realmente imaginei estarem na história, mas que por fim não estavam. É claro que isso não desqualifica, muito menos abaixa o meu conceito em relação ao Kafka, apesar de eu esperar um final um pouco mais movimentado.


sábado, 15 de junho de 2013

The Jetsons (Os Jetsons)


     Hoje eu resolvi dar continuidade aos posts sobre a coleção Hanna-Barbera e falar um pouco acerca dos Jetsons. "Os Jetsons" foi um dos poucos desenhos animados que eu não me lembro de ver tanto na televisão, tanto que quando eu comprei os boxes da 1ª e 2ª temporada eu nem me lembrava direito do que se tratava o desenho (talvez um pouco relapso da minha parte já que essa família está entre os Clássicos da Hanna-Barbera).
     Assim que os boxes chegaram em minha casa eu comecei a ver os episódios e não parei até terminar todos (vício?), enfim, antes eu não conhecia os Jetsons (ou não me lembrava direito deles), mas atualmente eles estão na minha lista de desenhos animados preferidos.
     Em comparação com "Os Flintstones" eu acho que "Os Jetsons" são mais engraçados, não sei dizer bem o porquê, já que de certa forma os dois são bem parecidos. Novamente fazendo uma pesquisa à la Wikipedia eu posso pontuar que essa família protagonizou 75 episódios que começaram a ser exibidos em 1962 e foram até 1987 (com pausas entre as temporadas) e fizeram parte do imaginário de uma (ou várias) geração(ões) causando questionamentos de como seria o futuro.
     Finalizando o post eu gostaria de convidá-los a ter essa preciosidade em casa, principalmente por conta das opções de trocas dos idiomas e pelas informações e vídeos especiais. Só lembrando: Não se esqueça de ver o vídeo no fim do post no qual eu mostro e falo sobre mais detalhes dos boxes e dos Jetsons.















                                           

sexta-feira, 7 de junho de 2013

The Flintstones (Os Flintstones)


     Eu ponderei um pouco sobre qual seria minha primeira postagem aqui no blog, afinal há várias coisas na minha estante sobre as quais eu gostaria de falar ao mesmo tempo. Enfim, buscando me concentrar, eu decidi começar o blog falando sobre um dos desenhos que marcaram minha infância: Os Flintstones.
    Eu me lembro de quando eu via alguns episódios nos programas matinais do SBT, na época em que eu ainda podia me dar ao luxo de levantar da cama, pegar meu cobertor e ir ver desenhos na sala (#timepasses). Bem, fazendo uma breve pesquisa (à la Wikipedia) sobre os Flintstones posso dizer que os mesmos foram de grande sucesso em sua época (década de 1960) e continuam sendo até hoje, tendo sido dublados para 22 idiomas e assistidos por aproximadamente 300 milhões de pessoas.
    Não acho que "Os Flintstones" possuem uma carga cômica muito grande, principalmente se comparado a outros desenhos de sua geração, mas confesso que algumas vezes eu rolei de rir, principalmente quando a Vilma arrumava maneiras de ludibriar o Fred. Outra característica dos Flintstones é mostrar aquele modelo bem "ideal" de família: a esposa que espera o marido chegar do trabalho com um jantar bem feito e apetitoso, o esposo que tem tempo para suas atividades de lazer mas que posterga momentos com sua esposa, a sogra que implica com o genro, dentre outras.
    Quando se fala de um desenho produzido na década de 1960, é impreterível pontuar que o mesmo retratará inexoravelmente a sociedade daquela época (acho inclusive que isso possa ser um dos meus objetos de estudo na universidade, quem sabe...) assim, fica mais fácil entender os motivos de o Sr. Fred Flintstone ser tão egocêntrico e às vezes machista (nada que o tempo não tenha amenizado - em relação a ele e à própria sociedade).


     Me interessei por comprar os boxes das fotos acima e abaixo desde a primeira vez em que os vi a venda no  Submarino. Após alguns meses de espera eu pedi os quatro quase que de uma só vez pela internet. (Deixando de lado o fato de minha mãe quase querer me matar na época) Eu estou muito satisfeito por tê-los adquirido já que essa família faz parte dos clássicos dos desenhos animados. Fico aguardando então a 5ª e 6ª temporadas serem lançadas no Brasil, pois por conta disso (não que eu não tenha tido meios para isso, mas) eu não assisti à elas.


Não se esqueça de ver o vídeo abaixo, no qual eu falo e mostro mais sobre os boxes. Até mais.


1ª TEMPORADA





2ª TEMPORADA










3ª TEMPORADA










4ª TEMPORADA